[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: Maio 2016

9 de maio de 2016

Bastaria um abraço...



Procuro encontrar no meu íntimo a harmonia da vida, concentrar-me nas energias vibratórias, recordar que eu sou o poder no meu mundo. 

Centro-me na Luz que me ilumina e reforço a consciência de que sou uma partícula do Universo. 

Não vacilo nas minhas asas da liberdade e sucedem-se os voos com essência numa busca constante, por vezes dissimulada, por vezes imprudente, por vezes irresistivelmente fascinante quando, isolados, ficamos mais juntos e mais livres.

 Nas ausências, as minha asas perdem o vigor e o vazio escorre-me pelas mãos que deixo cair ao longo de um corpo que perde o brilho como se o Sol nunca o banhasse. 

Fico ali, prostrada, emocionada e trémula, sem riso, sem emoção, desajeitada e sem ritmo. 

Bastaria um abraço para que as minhas asas voltassem a bater em movimentos sinuosos e pousassem (docemente) na curva do teu braço.

Autora: Maria Elvira Bento


8 de maio de 2016

Apenas o saborear daquele momento...



Houve um silêncio feliz naquela tarde de asas soltas, de mãos juntas, unidas, formando uma concha morna onde se sentia o pulsar da circulação nas veias dos pulsos unidos, desafiando a força, o equilíbrio, sem lugar para palavras ou pensamentos.

Ali, não havia história, existia apenas a história sem história de duas pessoas de bem que viviam para dentro uma cumplicidade perfeita porque sincera, sem dramas, sem espaço para escutar pensamentos.
Cabeça vazia. Coração calmo. Apenas o saborear doce daquele momento de uma tarde cinzenta sem réstia de Sol brilhante que sempre fascina, envolve e protege.

 Não, ali, naquele silêncio feliz de uma tarde outonal, nada mais teria feito sentido do que um esboçar de um sorriso sedutor, gerador de emoções que anunciam saudade.

Autora: Maria Elvira Bento (Blog Brumas de Sintra)