[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: Dezembro 2014

24 de dezembro de 2014

Reflexões...




Só se alcança uma filosofia pessoal,
quando se constrói um pensamento que ultrapassa
o horizonte do nosso quotidiano...

A força do meu pensamento,
quando falo, não está só na razão,
está também no meu coração.
Penso inteiro comigo mesmo: é a razão e o sentimento
tudo fundido e dirigido ao meu interlocutor.

Amo tão profundamente a vida
que esta mesma vida me dá como que o prêmio:
continuar vivendo - em alegria e em comunicação com o UNIVERSO.
É esta comunicação que me sustenta
na embriagada contemplação do quotidiano cósmico!.

*******
A. de Gusmão
Quinta do Espírito Santo. 08/07/1989

17 de dezembro de 2014

O que fizeram com o Natal!

                                                         

NATAL

O sino toca fino.
Não tem neves, não tem gelos.
Natal.
Já nasceu o deus menino.
As beatas foram ver,
Encontraram o coitadinho
(Natal)
mais o boi mais o burrinho
e lá em cima
a estrelinha alumiando.
Natal.
As beatas ajoelharam
e adoraram o deus nuzinho
mas as filhas das beatas
e os namorados das filhas
foram dançar black-bottom
nos clubes sem presépio.
  (Carlos Drummond )

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) apresenta neste poema um Natal sem gelo e sem neve, um Natal bem à moda do século XX, no qual a data em que se celebra o nascimento de Jesus já está despojada de sua sacralidade, distanciando-se muito da tradição de outrora.