[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: Pelos caminhos da Arte...

18 de dezembro de 2012

Pelos caminhos da Arte...


A grande operação da Arte é revelar o "mistério" das coisas que nos são familiares.

A Arte , como criação, só existe quando dentro de nós se dá a projeção da realidade e a
desenvolvemos ampliando-a em inúmeras ressonâncias.

Fico como que siderado de embriaguês pela silenciosa beleza das formas, na sua concreta realidade,
no seu colorido, nos subtis jogos de luz e sombra, na sua irrefragável colocação
dentro do espaço cúbicoem que me movo e habito... (1989)

O Belo é sempre o produto final da Arte, independentemente de qualquer padrão.
O Belo surge à medida que há criação. O Belo é resultado sempre dessa criação.
Creio que Kant pressentiu isso mesmo.

Se há campo onde tudo seja movediço, inseguro, é o da Arte; todavia, as certezas dos artistas e
poetas são verdades absolutas.

Todo criativo, todo artistas, se não conviver com o real, se não observar a natureza como a  própria natureza anónima, quasi despojada da Cidade, perderá o pé nas suas pesquisas plásticas, por muita fantasia que tenha... E quanto mais imaginoso for, mais se arrisca a malograr-se.

(Adriano de Gusmão)