[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: O fascínio de olhar o céu...

13 de julho de 2012

O fascínio de olhar o céu...


Gosto de olhar o céu, seja qual for a hora do dia. Fixar as nuvens que deslizam lentamente nessa imensa tela -é sempre uma descoberta fascinante- já que cada forma nos parece um desenho de forte criatividade. Assim, a tela transforma-se numa galeria aberta onde centenas de obras (chamo-lhe as farófias do céu) passam livremente pelos nossos olhos, provocando a imaginação perante a oferta tão sedutora e criativa. 

Mas, sem dúvida, é à noite que o o tecto que nos abriga neste planeta transparente é mais exuberante e mágico, renovando (descaradamente) a provocação de o admirar e de, olhando-o atentamente, tentar passar para lá dos brilhos que parecem espiar-nos. À janela, ou no jardim, renovo o prazer de acenar às estrelas com a patética inocência de pensar que com este movimento estou a interligar-me com o Universo. Olho o céu com frequência embora poucas sejam as vezes que sinta ser bem sucedida. É mesmo raro. As noites de veludo, salpicadas de brilhos, estão a ser cada vez mais mais difíceis de encontrar.

Texto de Maria Elvira Bento