[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: Mistério no exterior, poesia no interior

19 de julho de 2012

Mistério no exterior, poesia no interior


Uma pessoa deve entender o Ah! das coisas e então tudo é compreendido.
Dizem que a filosofia começa com o maravilhar-se. Talvez. Mas a filosofia sempre tenta destruir a maravilha - ela quer matar sua mãe. Todo o esforço da filosofia é desmistificar a existência.
Quanto mais você acha que sabe, menos você tem respeito, maravilha, reverência, amor. A existência então parece estar no passado, sem relevo; não há mais nenhum mistério nela.
E é claro que, quando não houver nenhum mistério no exterior, não há nenhuma poesia no interior. Eles andam juntos, são paralelos: mistério no exterior, poesia no interior.
A poesia só pode surgir se a vida permanecer merecendo ser explorada. No momento que você sabe, a poesia morre; o ato de conhecer é a morte de tudo aquilo que é bonito em você.
E, com a morte da poesia, você vive uma vida que não vale a pena ser vivida - não pode ter significação, não pode ter nenhuma celebração. Não pode florescer, não pode dançar; você só pode se arrastar.
Então, talvez aqueles que dizem que a filosofia começa com o maravilhar-se estejam certos, mas eu gostaria de acrescentar mais uma coisa: ela tenta matar sua mãe.
A religião nasce com o maravilhar-se, vive com o maravilhar-se. A religião inicia com o maravilhar-se e termina com mais maravilhar-se. Essa é a diferença entre a filosofia e a religião - ambas podem ter o seu começo com o maravilhar-se, mas depois elas pegam caminhos separados.
A religião começa procurando compreender os mistérios e descobre que esses mistérios vão se aprofundando. Quanto mais você sabe, menos sabe, e o resultado do saber é a ignorância. 
Você fica totalmente ignorante, não sabe absolutamente nada. Um estado de inocência é alcançado. Nesse estado de inocência, a poesia atinge sua perfeição. Essa poesia é a religião. 

AUTOR: Osho, em "A Revolução: Conversas Sobre Kabir"
Imagem por ~jjjohn~