[Valid RSS] [Valid RSS] [Valid RSS] Labirintos e Fascínios: Fragmentos de um diário...

31 de janeiro de 2012

Fragmentos de um diário...

 

O tempo para mim é um fluxo contínuo - 
Não há horas, dias, meses, anos sucessivos, nada escandido... 
Só vivo a unidade primordial do viver

 

A minha vida é como rastilho,
que pegou a arder, 
queimando o tempo e o meu ser...


O futuro mais bonito 
sempre dependerá da necessidade de esquecer o passado.
Você não poderá ir adiaante na vida,
enquanto não tiver superado os erros do passado
e tudo que magoa o seu coração.


Esse tempo é como um comboio em pleno curso,
cuja marcha ligeira 
já não posso acompanhar.
Detenho-me então na estação e medito...
Outra maneira de viver e em profundidade!


A vida já não me resolverá a vida;
só a morte liquidará
esta vida imperfeita e custosa.
Entrar na morte
como um punhal se mete na bainha...
Autor: A. de Gusmão
(1985)